Sempre recebemos mensagens pedindo dicas de como lidar e ajudar um gato medroso ou arisco.
Nesses casos, o mais importante é tentar descobrir a origem ou a fonte desse medo ou possível stress. Em alguns casos, pode ser um trauma vivido em alguma fase da vida, ou uma reação a algo que ainda está presente. Por isso é tão importante conhecer seu gato, observá-lo com atenção e descobrir o que o deixa a vontade e o que o assusta e estressa.
Quando encontrei a Jojo na rua, levei-a pro escritório onde trabalhava. Foi lá que ela passou os meses em que eu cuidei dela antes de juntá-la aos gatos de casa.
Inicialmente, o plano era achar um adotante pra ela, mas fui mudando de ideia ao começar a observar seu comportamento.
Jojo era uma gata muito arisca e assustada. Por ter vindo da rua, provavelmente passou por muitos traumas no início da vida, diante das dificuldades da vida na rua.
Além de muito medrosa, Jojo também era uma gata agressiva. Mordia e arranhava muito, e eu tinha que estar sempre atenta aos seus ataques surpresa enquanto trabalhava. Eu vivia arranhada e mordida, e pouco conseguia interagir com ela, já que quando não estava me atacando, ela estava entocada em algum canto com medo de tudo.
Com tudo isso, comecei a achar que nunca conseguiria um adotante pra ela. Afinal, quem iria querer uma gata que não interage e ainda te machuca?
Bom…A resposta veio fácil: EU. Eu ficaria com ela, porque eu já a amava e jamais poderia imaginar que alguém pudesse rejeitá-la ou abandoná-la novamente algum dia por causa do seu comportamento. Então eu mesma ficaria com ela, e assim eu poderia dormir tranquila sabendo que ela jamais voltaria pra rua.
Mas, isso não quer dizer que eu simplesmente aceitei aquele comportamento. Eu pesquisei, perguntei, corri atrás, e com muita, mas muita paciência mesmo, consegui transformar a Jojo na gata mais carinhosa que tenho hoje (pelo menos comigo).
Acho que uma das coisas mais importantes foi eu estar ciente que eu estava tentando, mas que minha relação com ela ia muito além do fato de eu conseguir ou não. Eu sabia que jamais desistiria dela, e considero isso extremamente importante em qualquer coisa que se vá tentar. Gatos são seres muito sensíveis, e o seu pensamento positivo e entusiasmo fazem toda a diferença pra eles.

O primeiríssimo passo é se certificar de que o gato não tem nenhum problema de saúde. Ele pode estar assustado ou arredio simplesmente por estar sentindo dor. Então, antes de tudo leve-o ao veterinário e certifique-se que sua saúde esteja OK.
Pronto? Tudo certo? Então vamos lá.
As dicas desse post são baseadas na minha experiência, e espero que possam ajudar muitas gateiras e gateiros desesperados por aí. Vamos lá:

1Um dos maiores problemas em gatos estressados pode ser a falta do que fazer. Viver em ambientes onde eles não têm nada pra brincar, escalar e arranhar pode ser extremamente problemático. Gatos são caçadores por natureza, e adoram qualquer tipo de atividade que aguce sua curiosidade e habilidades caçadoras.
Existem muitas formas de enriquecer um ambiente, como por exemplo: espalhando arranhadores pela casa, instalando prateleiras e escadinhas nas paredes para criar um refugio para eles no alto, o que eles adoram. Enfim, use a criatividade para deixar a sua casa mais interessante para seu gato, a fim de promover o bem estar físico e psicológio dele. Isso vai deixá-lo mais a vontade e confortável, ele se sentirá seguro, e dessa forma, o stress diminuirá.

2Florais são remédios líquidos preparados com essências de flores. Como são naturais, não têm contra-indicação, e hoje em dia já são bastante usados em animais para tratar problemas comportamentais.
Na época da Jojo, eu estava fazendo um tratamento com florais, e perguntei à minha terapeuta se também funcionava com animais. Ela disse que sim, e depois de eu descrever com detalhes os problemas da Jojo, ela preparou um floral especialmente pra ela.
Os florais normalmente são assim: 4 gotas 4 vezes ao dia. E no caso dos animais, podem ser misturados à água.
Depois de um mês de tratamento, Jojo apresentou muitas melhoras, e junto com todas as outras coisas que tentei com ela, posso afirmar hoje que o Floral foi uma das mais importantes para sua melhora.

3Pode parecer estranho, mas li essa dica em algum lugar e resolvi colocar em prática. Enquanto trabalhava, deixava tocando música clássica no escritório. E o resultado era impressionante. Jojo se aproximava do notebook e deitava, calma e serena, e acabava muitas vezes dormindo.
Quando ela estava muito agitada ou agressiva eu também ligava o som, e em poucos minutos ela se acalmava consideravelmente.
No Youtube você consegue encontrar diversos setlists com músicas ótimas pra isso! Clique aqui para ouvir uma delas.

4
O Feliway é um produto muito bom pra tratar problemas comportamentais em gatos. Ele é uma versão sintética do feromônio facial felino, e ao entrar em contato com ele, o gato se sente mais feliz, confortável e seguro. Ele está disponível em duas versões: Difusor elétrico (aquele de ligar na tomada, tipo de mosquito) ou Spray. Nós usamos o difusor quando juntamos a Jojo com nossos outros gatos, o Tyler e a Marla, e coincidência ou não, foi uma adaptação muito tranquila e sem stress. A esta altura, Jojo já estava um pouco mais calma, mas ainda era bem agressiva e assustada. Acreditamos que o uso do Feliway também ajudou bastante.

5Quando um gato é assustado ou arisco, a pior coisa que pode acontecer pra ele é você forçar a barra. Tentar pegá-lo no colo ou tocar nele quando ele visivelmente está estressado só vai piorar a situação. Você precisa respeitar o momento e o espaço dele. Deixe que ele se aproxime de você quando se sentir à vontade. E claro: use iscas para atraí-lo, mas sem forçar. Brinquedos e petiscos são muito bem vindos, e vão ajudar na aproximação.

Bom, essas foram algumas dicas. Mas, como em tudo nessa vida, cada caso é um caso, e o mais importante é conhecer o seu gato e respeitar seus limites.

E lembre-se sempre: a rua é um lugar perigoso e assustador para os gatos, e você nunca conseguirá descobrir a causa do stress do seu gato se não puder observá-lo e saber o que ele passa. Então o primeiro passo para resolver qualquer problema sempre será: mantenha seu gato dentro de casa.

IMPORTANTE: As informações contidas neste post foram baseadas em pesquisas e textos, e outras são baseadas em nossa experiência pessoal. Não somos veterinários, portanto, não podemos indicar medicamentos ou avaliar casos. Se seu gato tem algum sintoma ou você desconfia que esteja doente, leve-o imediamente a um veterinário de confiança.

Manu

Avalie essa notícia:

RuimRegularBomÓtimoExcelente
Loading...
  • Josy

    “My cat from hell” é um ótimo programa do Animal Planet que abre a mente pra entender o comportamento dos bichanos.

  • Rapah

    matéria interessante

  • Paula

    Oi Manu, entendo o amor que vc tem pela sua Jojo. Tb tenho uma Jojo, literalmente, e está conosco desde pequena, achada na rua. Sempre foi arisca, mas sempre consegui conviver com ela. A Jojo se aproxima e vive atras de mim o dia todo. Mas qdo dá na telha me ataca. É enlouquecedor. Agora estou com um filho de 1 ano e meio e já perdi a conta de qtas vezes ela atacou ele. Tenho medo e tb vergonha. Venho perdendo a paciencia e cada vez mais ela fica presa. Sei q precisa de um pouco de atenção e espaço, mas está difícil a convivência. Ainda estamos tentando e não há pensamento algum em abandona-la, mas realmente algo precisa ser feito. Adorei as dicas e vamos tentar adota-las.

  • Inês

    Só uma dica, lá por ser natural não significa que seja seguro e sem contra indicações, por exemplo cicuta é 100% natural e tem bastantes contra indicações! É preciso cuidado com esse tipo de coisas. De resto excelente artigo 😉

  • Cínthia

    Ei! Tenho um gatinho bem parecido com a que vc descreveu e queria agradecer bastante pelas dicas, vou tentar e espero MUITO que dê certo.

    Ps. salvei uma foto do post e to usando no meu facebook. Hehe. Espero que não tenha problema.

  • girlene

    Olha manu. Minha gata é um pouco agressiva mais só quando a levo para meu quarto. Ela está normal bem carinhosa quando a levo para o meu quarto ela fica muito arisca. Não entendo o porq? Notei q ela ficou assim depois da cirurgia.

  • Danuta Ferreira Bispo

    Parabéns pelo artigo! Usei muitas dicas para introduzir minha gatinha nova (super assustada) ao meu gato antigo (manhoso e se acha o dono da casa). Agora ganhei um cachorro e estou tentando adaptar os 3. Juro que queria que fosse fácil, um dia se olharem e todos se amarem, mas sei que não funciona assim. Vou seguindo suas dicas. Passo o dia inteiro ouvindo música clássica para eles… Agora os 3 estão deitados relativamente perto um do outro dormindo ao som da playlist que você divulgou. Só uma dúvida: qual foi o floral que sua Jojo usou? Estou querendo usar um floral do bioflorais, mas não sei se funcionaria.

    • Cat Club

      Oi Danuta! Poxa, que bom que está funcionando, mesmo que aos pouquinhos. Sempre digo que é isso mesmo, um passo de cada vez, devagar…Com muita paciência! Eles são vencidos pelo cansaço, hehehe! Uma hora vão acordar e aceitar a condição de viver assim, como se tudo sempre tivesse sido desse jeito. Ou seja, terão se acostumado à nova vida e às novas companhias. Exige muita paciência mesmo!
      O floral que a Jojo usou foi manipulado pela minha terapeuta na época, não lembro exatamente a composição. Eu nunca usei estes florais prontos que vendem nos petshops, mas devem funcionar também! Se preferir, procure alguém especializado nesse tipo de terapia, que aí farão um exatamente personalizado para os problemas que vc deseja resolver. 😉
      Espero que dê tudo certo por aí! Boa sorte, viu? Beijo em todos!

  • Melissa

    Meu Antonio é assim, arisco e medroso, mas é um amor de gatinho, porque mesmo acuado não ataca nunca. Feliway funciona muito para ele e estou usando florais também, o que tem dado muito resultado!

  • Cristina

    Meu gatinho Léo também é bem arisco e medroso. Estou conseguindo grandes melhoras com o medicamento Antroposófico Stressdorum …coloco a vasilha com água e quebro o comprimido em 4 partes e jogo na água…faço isso a cada 3 dias…ele passou a beber mais água e ficar mais tranquilo.

  • Heloisa

    Ano passado eu adotei uma gata em petshop que o dono havia encontrado na rua. Não foi meu primeiro gato, por isso percebi que o afastamento dela não era normal, esperei uma semana e ela não saia de baixo da cama enquanto alguém estivesse acordado em casa. Tive que fingir que estava dormindo para conseguir “sequestra-la” e levar no veterinario para verificar se ela estava com alguma doença. Ao levar no veterinario ele confirmou que aqueles olhos esbugalhados dela, agressividade, era puro medo. Eu não sabia o que fazer, pois gata não saia de baixo da cama nem para comer e o pior, fazer necessidades dela durando 20h por dia (tempo em que toda a familia está dormindo) isso era preocupante, pois isto traria risco a saúde fisica dela também.

    O que eu fiz foi prende-la com uma coleira, em um local onde ela não conseguisse se esconder de todos, e tivesse acesso a areia, comida e agua. Todos estávamos cientes de que não seria fácil, mas todo dia, parávamos 5 minutos e falávamos com ela, mantendo a distância que ela queria (o aviso era quando ela rosnava), após alguns dias fazendo isso, a distancia de alerta foi diminuindo até desaparecer, quando desapareceu começamos a tocar ela(fazer carinho), sempre com cuidado e sem movimentos bruscos. Quando ela parou de vez de nos ameaçar, foi solta. Conforme foi passando o tempo ela ficou super dócil e só tem medo de visitas (fica em baixo da cama até irem embora) ou quando eu vou em direção a ela muito rápido, porém, isso é quase normal para qualquer gato. rs.

  • lilian

    Joguei no google remédios que acalme gatinhas filhotes muito arisca,e logo apareceu o seu artigo que adorei, a minha Sophie tem apenas 3 meses e meio e totalmente arisca,so morde o tempo todo ,tem varios brinquedinhos que comprei ,mas se passo por perto ela quer morder os meus pes me arranha toda,adotei ela toda machucada na rua,não tenho ideia se sofreu, como foi a sua vidinha nos primeiros meses, pois quando peguei levei a veterinaria a mesma disse que tinha 2 meses não mais que isso,trato ela igual criança ate danone na boca dou e por segurança deixo ela muito no meu quarto tem medo que saia pela garagem ou corra algum perigo ,não sei se isso esta a sufocando,ontem ela foi castrada e tinha esperança que estaria calma hoje,acho que foi o pior dia pulou por toda casa todas as mordidas nos meus pes ela fez,fico triste porque eu aceito ,mas outras pessoas da família não quer nem chegar perto,enquanto e filhote e tudo bonitinho mas depois que crescer não quero que contineu assim,vou tentar seguir os seus metodos para a melhora dela ,pois não imagino mais viver sem ela,mas o eu sonho e que ela fosse docil e carinhosa rs

    • Sueli

      Olá Lilian, tenho uma “menina” com 13 anos – Lina -, foi resgatada com 3 meses em péssimo estado, adotei qdo ela estava com 5 meses, apesar de todo amor e tantos anos passados qdo vê um humano treme de medo, é muito dócil comigo, porém sempre teve problemas comportamentais, que se agravaram qdo o meu gato (Teko) – seu amigo fiel – morreu há dois anos, ela chegou a ficar em depressão sem comer, devido ao estresse arrancava os pelos formando buracos na pelagem, dava florais prontos, não estava tendo sucesso, foi qdo descobri um site chamado http://www.gatoverde.com.br , a terapeuta me ajudou dando um floral específico para ela, inacreditável sua melhora. Sou muito grata a esta ajuda. O Teko não era arisco, porém muito brincalhão, me mordia sempre, os felinos brincam dando mordidas, qdo pequeno mordia forte, tenho cicatrizes deixadas por ele – digo que são marcas de amor – porém com o passar dos anos passou a não colocar força nas mordidas, mas continuou mordendo, foram 17 anos de mordidas até sua morte. Não quero desanimar vc, mas dizer que ela ainda é bebê não tem muita noção, o site que falei a ajuda é gratuita, tenda quem sabe ajudam vc, vc ajuda ela, e ela vai te dar muitas felicidades, tenha certeza.

  • Cristina

    Olá! Tudo bem? Adotei 2 gatos adultos há +/- 2 meses. Um himalaio, o pai (3,5 anos) e um exótico, o filho (2,5 anos). O exótico já está adaptado e é o meu companheiro, já o himalaio, ainda assustado e agressivo se tento chegar perto dele. Vive embaixo da minha cama. Não sei, se o que pode ter agravado este comportamento foi o fato de levá-lo 2 vezes ao veterinário já, pois no susto, ele se jogou da escada. Mas nao se machucou. E em outra ocasião, eu praticamente tive que retirá-lo a força do forro da minha cama box. Ele entrava lá e não saia. E ali não era adequado pra ele ficar, pois poderia se machucar. E para repreende-lo pelo comportamento agressivo, dei uns tapinhas leves com os dedos, no fucinho dele e ele me arranhou – me falaram que é assim que as mamães gato repreendem os filhotes. Hoje ele está já saindo mais debaixo da cama, às vezes o pego dormindo em cima da minha cama, mas quando me vê, sai correndo. Sai a noite quando vê que eu deitei e apaguei as luzes, fica miando fora do quarto- acho que pra chamar o filho. Será que ele se traumatizou e terá sempre raiva de mim ou isso um dia irá passar, irá esquecer? Pois já tentei biscoitinho, whiskas sachê, brinquedo e não adianta… ele faz “fu” pra mim. Agora em julho eu deveria ter os levado para tomar vacinas, mas ainda nao levei por medo que piorasse, por ser recente a adoção, mudança de lar. Até combinei pra quando levar, o ex dono vir me auxiliar e acalmá-los. Muito obrigada!

    • Camila Barberis

      Já tentou dar catnip?

  • Maria Silva
    • Camila Barberis

      Tenta colocar ração de sachê em um pote dentro da caixa de transporte quando entrar você fecha rápido.

  • Rafael

    Gente alguém me ajuda por favor ?
    minha gata teve 5 filhotes,demos 2 obviamente ficamos com 3, passou um tempo minha gata ficou prenha de novo
    o gato com que ela cruzou descobriu o local de onda a mãe ficava com os seus filhotes ai ele veio e bateu em uma filhote que quase matou, agora ela esta rejeitando a mãe, pois a mãe se encontrou com o gato mais ai agente deu banho na mãe e ficou tudo bem mais agora voltou a briga de novo o que eu posso fazer para que a filhote volte aceitar a mãe ? por favor me ajudem eu não quero me desfazer de minha gatinha

    • Camila Barberis

      Castre a gata imediatamente, assim ela não irá mais atrair o macho e nem ficar com o cheiro dele q traumatizou a filhote. E você mesmo pode amamentar o filhote, vende em petshop um leite em pó especial para filhotes.