O fim do ano vai chegando e as pessoas vão se preparando para aproveitar as férias de verão e viajar, ou até mesmo passar as festas na casa de parentes em outras cidades ou países.
Com isso, para quem tem gatos, começa o dilema: Levá-los ou deixá-los em casa?

A resposta pra essa pergunta vai depender do quanto você conhece seu gato. Só você vai poder dizer se viajar seria um stress ou não para o bichano. Para a maioria dos gatos, viajar é, sim, muito estressante, já que a mudança de ambientes costuma ser desagradável para eles.
Diferente dos cães, que se acostumam rapidamente com um novo ambiente, gatos demoram e sentem muito mais as mudanças bruscas.
Por isso, você precisa avaliar os seguintes pontos:

1- Qual a idade e temperamento do meu gato?
Gatos muito novos ou muito velhos podem se estressar ainda mais em uma viagem. Os mais novos, porque ainda não tomaram todas as doses das vacinas, e os mais velhos, porque já podem ter a imunidade comprometida e qualquer stress pode gerar complicações na saúde, pois costumam ser mais sensíveis.
Além da idade, você precisa considerar o temperamento do seu gato. Ele é mais brincalhão, sociável e ativo? Então pode ser que dê tudo certo!
Mas, se ele for um gato arisco, assustado e antisocial, talvez o melhor seja deixá-lo quietinho em casa, mesmo. Pois o stress pra ele provavelmente será enorme.

2- Meu gato precisa de algum cuidado especial ou medicamento diário?
Essa informação precisa ser avaliada junto com a pergunta numero 1 (idade e temperamento do gato).
Um gato que precise de cuidados ou medicamentos diários precisará ir com você, a menos que você possa contar com alguém com habilidades para dar remédios a um gato (o que sabemos que nem sempre é fácil de se encontrar). Mas, se seu gato toma algum remédio, é porque provavelmente tem algum problema de saúde, por isso, você precisará consultar um veterinário para ter certeza de que o stress da viagem não prejudicará sua saúde.

3- Para onde vou viajar, onde e quanto tempo vou ficar?
Esse é um fator decisivo também. Você precisa avaliar a distância e tempo que ficará fora, para decidir se realmente vale a pena levá-lo. Se a viagem for de 2 ou 3 dias, eles provavelmente ficarão bem com a visita de algum conhecido ou amigo todos os dias ou dia sim/ dia não.
Se a viagem for de mais de 3 dias, você pode até pensar em levá-lo, mas, precisa avaliar o lugar que você vai ficar. Nunca leve seu gato para um lugar desconhecido e com acesso à rua, ou onde ele possa se perder.
Se você tiver um quarto só para você, com espaço suficiente para seu gato e que fique sempre fechado, então tudo bem.
Caso você vá para algum hotel que aceite animais no quarto. Lembre-se sempre de avisar na portaria que você não deseja o serviço de quarto para a arrumação do quarto, pois uma camareira desavisada pode deixar a porta aberta e seu gato poderá fugir.
Deixe avisado e defina um horário para a limpeza, assim você poderá sair com seu gato na caixinha de transporte ou na coleira enquanto realizam a limpeza.

4- Decidi deixar meu gato em casa. O que devo fazer para que ele fique bem?
Gatos dormem grande parte do dia, então, se você já respondeu a pergunta 1, conhece seu gato e sabe que ele não surtará sem você em casa, ele vai ficar bem.
Lembre-se de tirar tudo que for possível da tomada e desligar o gás, além de tirar do caminho tudo que possa causar um acidente.
Agora você precisa encontrar alguém disposto a ir pelo menos uma vez ao dia ou na pior das hipóteses, dia sim/dia não até a sua casa. Essa pessoa limpará a caixa de areia, colocará comida e água e brincará um pouquinho com o seu gato, para dar a ele a sensação de que não está sozinho. Não precisa ser nenhum expert em gatos, pode ser um amigo, um vizinho, seus pais, etc.
Para quem não tem a quem pedir, muitas cidades já contam com o serviço de catsitter, que são pessoas especializadas em fazer exatamente isso: cuidar do seu gato quando você está fora.
Peça indicações para amigos e conhecidos de catsitters, e certifique-se de que a pessoa é de confiança.
Algumas catsitters, além de cuidar dos gatinhos, ainda enviam fotos e relatórios diários dos gatinhos pra ajudar você a matar a saudade.

5- Não tenho ninguém para ficar com ele em casa, o que fazer?
Em último caso, quando realmente não exista a possibilidade de alguém cuidar do seu gato em casa, no território dele, você pode então procurar um hotelzinho.
Mas lembre-se: essa é a última alternativa, mesmo! Porque assim como ele iria se estressar indo viajar com você, pode se estressar também indo para um hotelzinho, já que para isso teria que sair de seu ambiente.
Procure um hotelzinho com boas referências, e de preferência que algum conhecido já tenha deixado seu pet antes. Vá visitá-lo com antecedência, ver as instalações e condições. Certifique-se de que seu gato fique em um ambiente só dele, sem que seja misturado com outros gatos, o que pode causar muito stress e até doenças. Caso ele realmente vá ficar, leve a ração que ele já está acostumado a comer, e algumas coisinhas familiares, como caminha, brinquedos, etc.

6- O que preciso para viajar com um gato de avião?
Documentos: para embarcar em viagens nacionais ou internacionais você precisa de: atestado de saúde fornecido pelo veterinário (no máx. 3 dias antes da viagem) e Certificado de vacinação anti-rábica (a vacinação deve ter sido feita 30 dias ou mais antes da viagem).

Para viagens nacionais, a partir de julho de 2006, cães e gatos foram dispensados da emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), bastando atestado de saúde e de vacinação.

No caso de viagens para o exterior, de posse desses documentos, o proprietário deverá ir ao Ministério da Agricultura, que lhe fornecerá um atestado Certificado Zoo Sanitário Internacional. Para viagens fora do país, também é necessário informar-se no Consulado do país de destino quais as exigências para a entrada do animal. Alguns países aceitam apenas o atestado do Ministério da Agricultura ou exigem um visto consular para a entrada do animal. Há países que exigem que o animal cumpra um período de quarentena no aeroporto. Países da Europa em geral, solicitam um exame sorológico para confirmação da vacinação anti-rábica, que deve ser feito com bastante antecedência. Há restrições quanto ao número de animais que estão imigrando em alguns países. Portanto, informe-se antes para evitar surpresas no desembarque.

obs. Para entrar com um animal no Brasil, há necessidade do Certificado Zoo Sanitário Internacional e do Visto consular

Onde o animal será transportado: na maioria das companhias, o animal irá no compartimento de carga dentro de uma caixa de transporte, cujas medidas e características variam com a companhia aérea. Informe-se do tipo de caixa e medidas antes de comprá-la. Algumas companhias permitem que os animais viajem com os donos. Raças pequenas e gatos são tolerados junto com os passageiros, em alguns casos. Há restrições quanto ao número de animais por vôo, portanto, deve-se fazer uma reserva para viajar com o animal. Clique aqui saiba mais sobre o transporte aéreo de animais.

O que preciso para viajar com um gato de carro?
Documentos: legalmente, para você transportar um animal em viagens rodoviárias interestaduais, você precisa da mesma documentação necessária para viagens aéreas, ou seja, carteira de vacinação anti-rábica e atestado de saúde.

Onde o animal será transportado: no caso de gatos, o uso da caixa de transporte é imprescindível para diminuir o estresse do animal e evitar fugas.

Muitos animais costumam vomitar com o movimento do carro. Consulte o veterinário quanto a medicar o cão contra vômitos antes da viagem. Não alimente o cão ou gato antes de viajar. Leve água e faça paradas regularmente.

Avalie essa notícia:

RuimRegularBomÓtimoExcelente
Loading...
  • Bella

    E pra quem sabe que o gatinho fica bem em outros locais uma boa é a Dog hero (https://www.facebook.com/dogherobrasil/?fref=ts ) Eles tambem colocam gatinhos em intercambio 🙂 O bichano fica em uma casa de gente que realmente gosta de gatos e será tratado como se tivesse na sua própria casa.
    Sei disso porque minha irmã é anfitriã e sempre recebe cães e gatos na casa dela. O único problema é o risco do seu bichinho querer ficar de vez na casa do anfitrião!