Há algum tempo, criamos a série #UmGatoMeResgatou em nossa fanpage no Facebook. Lá, postamos fotos e histórias de resgate enviadas pelos leitores. Resolvemos trazer esta série pro blog! Aqui, vocês acompanharão sempre as novas histórias! E não se esqueça de enviar a sua para [email protected], com fotos bem bacanas!

A história de hoje é da Gisele, que foi resgatada pela Princesa Mia! Vamos conhecê-las?

mia

Sempre fui uma pessoa que amava animais, na infância e adolescência tive 2 cachorros, e era pelos cães que sempre fui apaixonada. Sempre tive aquele preconceito com gatos que todo mundo que não conhece tem, de achar que eles eram traiçoeiros, que não se afeiçoavam aos donos, dentre outros boatos que contam por aí. As minhas duas cadelas morreram de câncer, a primeira em casa e a segunda foi sacrificada, sendo que acompanhei o momento pois não quis deixar ela sozinha. É aquela cena me acompanha até hoje… Desde então decidi que nunca mais queria ter bichos em minha vida.
Meu marido sempre foi apaixonado por gatos e há muito tempo insistia para termos um bichinho em casa, nem que fosse um cágado. E eu sempre resistindo. Neste tempo comecei a seguir no face algumas páginas de ongs que trabalhavam com resgate de animais e tinha aquelas “paixões tipo fogo de palha” por alguns gatinhos e falava em adotar, mas sempre perdia a coragem. Comentava com meu marido, mas sempre recuava.
Então um dia vi a foto da Mia, que na época se chamava Clarinha. Aquele olhão assustado dela me deixou intrigada, e por acaso quem tinha resgatado era um amigo meu, e ela estava em lar temporário na casa da irmã dele, que também é minha amiga. Tinha sido abandonada num parque público e estava muito maltratada e assustada… Resolvi, pela primeira vez, dar uma olhadinha de perto. E na visita, decidimos ficar com ela.
Ao chegar em casa, me arrependi da decisão e chorei muito, mas era só medo. No outro dia já estava comprando o enxoval dela: ração, caixa de areia, arranhador, tudo do melhor.
Desde então minha princesa Mia (o nome foi dado pelo diário da princesa mesmo!) é o xodó da minha vida. Meu bebezão. Muito dengosa (até o miado é dengoso quando ela quer me comprar), adora dormir comigo. Até hoje tem medo de pessoas estranhas, provavelmente foi muito maltratada… só confia no papai, na mamãe e na dinda, que vem cuidar dela quando a gente viaja. É super educada, doce, todo mundo se apaixona por ela.

Depois da Mia, que recebemos em casa em 14/06/2014, veio a caixinha de surpresa Pandora em 30/10/2014, também resgatada que estava na casa de um amigo, que veio recheada de filhotinhos sem que nos soubéssemos. E veio para aprontar tudo que a Mia não apronta, bagunceirinha e barulhenta do meu coração.

Hoje estamos com a Mia, a Pandora e seus três bebês de 1 mês: Peter (que vai ficar conosco), Anabeth e Luna (que serão adotadas pela minha sogra em março).
No fim das contas, a minha Mia abriu novamente meu coração, tirou meus medos, me fez aprender o que é amor incondicional e decidir que agora, apesar de ainda amar os cães, só quero gatos.”

Gisele Soares

Fotos e texto: Gisele Soares

E você, tem uma história bem bacana de como um gato te resgatou e mudou a sua vida?
Manda pra gente! E-mail:
[email protected]

Avalie essa notícia:

RuimRegularBomÓtimoExcelente
Loading...
  • Virginia

    Poxa Gih, que lindo o seu depoimento! É bem verdade que há um preconceito injusto contra nossos queridos felinos! Também sou fã de cachorros e amo os meus 2 “enteados” (adotados pelo meu namorado há alguns anos e que agora tb são meus filhos caninos), mas a minha “paçoquinha” (como chamo carinhosamente a minha gatinha Jade) também me resgatou logo após o término de um relacionamento… Passou a ser a minha companheira, que vinha me dar carinho sempre que eu estava para baixo… Nosso amor e carinho sempre são retribuidos por eles, da forma mais pura e versadeira possível… Parabéns pelo gesto e felicidades com o pequeno Peter 🙂